HQs lançadas pela Cepe são finalistas de prêmio nacional

Criado: Quarta, 30 Setembro 2020 15:36

Os dois livros de história em quadrinho que inauguraram o Selo HQ da Cepe Editora, em 2019, são finalistas da 32ª edição do Troféu HQ Mix.  Polinização concorre à categoria Desenhista Nacional, com o artista plástico Cavani Rosas, e O Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos disputa as categorias Edição Especial Nacional (Cepe) e Novo Talento - Desenhista, com o artista plástico Greg, um dos ilustradores do álbum.  

Em 2020, 1.162 trabalhos foram inscritos no prêmio e a lista dos indicados, divulgada nesta terça-feira (29), contempla cerca de dez obras em cada uma das 32 categorias. Os vencedores serão conhecidos durante cerimônia on-line a ser realizada em 12 de dezembro próximo nas redes sociais do Sesc, entidade que apoia a iniciativa. Eles serão escolhidos numa votação nacional feita por desenhistas de HQ e de humor gráfico.

“O selo Cepe HQ surgiu da vontade de publicar mais obras em quadrinhos, uma linguagem que sempre buscou e mereceu mais espaço em Pernambuco (e no Brasil). Essas indicações no Troféu HQ Mix são um reconhecimento do talento dos artistas - veteranos ou emergentes no cenário dos quadrinhos - e das obras que publicamos, e é uma alegria ver os dois primeiros livros do selo recebendo esse destaque nacional mais do que merecido", declara o jornalista e editor da Cepe, Diogo Guedes.

Com 115 páginas coloridas, O Obscuro Fichário dos Artistas Mundanos é o primeiro título lançado pelo Selo HQ da Cepe e traz quatro histórias baseadas em fatos reais ocorridos durante a ditadura de Getúlio Vargas. A publicação, roteirizada por Clarice Hoffmann e Abel Alencar, é ilustrada pelos artistas plásticos Maurício Castro, Paulo do Amparo, Greg e Clara Moreira. Este ano, o livro entrou na lista dos dez melhores quadrinhos publicados no Brasil, segundo o Prêmio Grampo 2020, conferido por jornalistas e críticos especializados no segmento literário.

Polinização tem 87 páginas e é a primeira graphic novel do jornalista e crítico de arte Júlio Cavani (roteiro) e de seu pai, o artista plástico Cavani Rosas (desenhos). O projeto foi construído ao longo de uma década e traz, em quase duzentos quadrinhos desenhados e escritos a bico de pena, temáticas como liberdade individual, legalização de substâncias consideradas ilícitas, respeito às culturas de povos tradicionais, repressão política e policial, entre outras questões.

Por tradição, o Prêmio HQ Mix presta homenagem a um personagem brasileiro de história em quadrinho, com o Troféu do Ano. Na edição 2020, quem recebe a homenagem é Radical Chic, criada pelo cartunista carioca Miguel Paiva.